A primeira Missa polifónica em honra de S. Josemaria

No dia 9 de janeiro de 2018, 116º aniversário do nascimento de S. Josemaría, celebrou-se na Basílica Pontifícia de S. Miguel, em Madrid, uma Missa polifónica em sua honra, composta pelo prestigioso organista, compositor e catedrático do Real Conservatório de Música de Madrid, Miguel del Barco Gallego.

Notícias

A cerimónia foi presidida pelo Cardeal Antonio Mª Rouco, Arcebispo Emérito de Madrid, e concelebrada por oito sacerdotes, entre eles Mons. Herrando, Vigário do Opus Dei em Espanha, e Pedro Álvarez de Toledo, Vigário delegado de Madrid Oeste, além de Javier Láinez, reitor da Basílica.

Na sua homilia, o Cardeal Rouco destacou “a atualidade da mensagem de S. Josemaria, eleito para impulsionar um caminho que leva a Deus, que salienta a chamada universal à santidade e ao apostolado”. O Arcebispo emérito animou a “viver o trabalho, a família, a cultura, a economia, todos os âmbitos de atividade, como lugar de santificação, a exemplo de S. Josemaria”.

A Missa estreada esta terça-feira é fruto, em boa parte, da admiração e afeto de Miguel del Barco por S. Josemaria.

Numerosos fiéis e devotos de S. Josemaria encheram por completo o templo e desfrutaram da interpretação oferecida pelos coros “Ciudad de Guadalajara” e Grupo Vocal Kromática, dirigidos por Mercedes Padilla, que dirigiu a Orquestra Sinfónica do Real Conservatório Superior de Música de Madrid.

A ligação da Basílica a S. Josemaria é antiga, porque nesse local celebrou a sua primeira Missa em Madrid, no dia 20 de abril de 1927 e continuou a celebrar nessa igreja diariamente até que em junho desse ano foi nomeado capelão do Patronato de Enfermos.

A Missa Polifónica composta pelo professor Miguel del Barco, para coro misto e órgão, contém as partes fixas da Santa Missa: Kyrie, Gloria, Credo, Sanctus e Agnus Dei. A Antífona de Entrada, Aleluia e Antífona da Comunhão são da Memória litúrgica de S. Josemaria.

Numerosos fiéis e devotos de S. Josemaria encheram por completo o templo e desfrutaram da interpretação oferecida pelos coros “Ciudad de Guadalajara” e Grupo Vocal Kromática, dirigidos por Mercedes Padilla.

Uma vida dedicada à música

O compositor Miguel del Barco é Catedrático de Órgão e desde 1975 ocupa a Cátedra do Real Conservatório Superior de Música de Madrid, centro de que foi Diretor durante vinte e cinco anos. Foi Presidente da Associação Espanhola de Centros Superiores de Ensino Artístico e Académico de número da Real Academia da Estremadura. É Prémio Nacional do Disco do Ministério de Cultura e, entre outros reconhecimentos, recebeu a Medalha de Ouro do Real Conservatório de Madrid.

A Missa estreada esta terça-feira é fruto, em boa parte, da admiração e afeto de Miguel del Barco por S. Josemaria, de que destacou “o seu extraordinário e providencial trabalho evangélico que tão beneficioso foi e continua a ser no seio da Igreja Católica e no campo da educação. Não o conheci em vida, mas a sua obra e os seus frutos sim”.

Após a estreia, o seu compositor destacou que o mais importante da Missa são, sem dúvida, os motivos em que se baseia, que são os do canto gregoriano, “modelo acabado da música religiosa” e os motivos religiosos da lírica popular da Estremadura.

Del Barco referiu que um dos objetivos da sua vida profissional foi o de “conseguir que os centros de educação musical e as suas qualificações tivessem o reconhecimento adequado ao seu alto significado”. Neste sentido, e face à capacidade pedagógica da música, pediu às autoridades “a promoção dos estudos musicais e da música”.

*****

Recursos e notícias relacionadas

Percursos históricos em Madrid sobre os começos do Opus Dei.

Mapa interactivo S. Josemaria em Madrid. Os primeiros anos do Opus Dei

S. Josemaria entre os doentes de Madrid (1927-1931)