Jornalista portuguesa Ana Candeias (TVI) recebe em Lisboa menção honrosa por reportagem sobre os Leigos para o Desenvolvimento

No próximo dia 27 de Janeiro, a organização Harambee África Portugal entrega à jornalista da TVI uma menção honrosa atribuída no âmbito do concurso internacional “Comunicar África”.

Notícias
Opus Dei - Jornalista portuguesa Ana Candeias (TVI) recebe em Lisboa menção honrosa por reportagem sobre os Leigos para o Desenvolvimento

No próximo sábado, 27 de Janeiro, pelas 18h, no Auditório do Oratório S. Josemaria, em Lisboa, Harambee África Portugal entrega à jornalista Ana Candeias a menção honrosa que lhe foi atribuída pela sua participação na sétima edição do concurso internacional “Comunicar África”, iniciativa da Harambee Africa Internacional, com sede em Roma.

A reportagem vencedora, intitulada “Voluntários na Linha do Equador”, relata uma experiência de voluntariado de portugueses, enquadrados na ONG católica Leigos para o Desenvolvimento, em São Tomé e Príncipe. Pode ver a reportagem neste vídeo:

Ana Candeias, repórter da TVI, e a sua equipa (imagem de Gonçalo Prego e edição de João Pedro Ferreira) foram reconhecidos por um júri internacional que destacou na reportagem “a capacidade de mostrar, através da narrativa de uma experiência de voluntariado, as enormes dificuldades das pessoas locais com um olhar realista e respeitoso, evitando a comiseração".

A menção honrosa será entregue por um membro da Plataforma Cafuka - Associação Cultural, constituída por um grupo de amigos e profissionais que se uniram com a missão de projectarem as mais-valias culturais, artísticas e sociais do mundo lusófono.

A reportagem vencedora do VII Prémio Comunicar África - "Mada Undergound", de Denis Sneguirev e Philippe Chevallier – recebeu o galardão principal em sessão solene realizada em Novembro de 2017, em Toulouse, França.

O Prémio Harambee Comunicar África, atribuído de dois em dois anos, pretende contribuir para a difusão de uma informação mais real sobre África, de uma imagem que reflicta os conflitos, mas também as esperanças, a riqueza e a diversidade das culturas e dos povos africanos, a fim de promover o conhecimento de um continente que é um bem para todos.

UM CONCERTO DE NATAL EM LISBOA PELAS MÃES E CRIANÇAS DE ÁFRICA

O combate à mortalidade materno-infantil na República Democrática do Congo, e o resgate de crianças e jovens de rua no Togo, foram os dois projetos africanos que Harambee África Portugal apoiou com um evento solidário de angariação de fundos.

Assim, o primeiro Concerto de Natal Harambee África Portugal teve lugar no dia 10 de Dezembro, em Lisboa no Palácio Foz, reuniu cerca de 150 pessoas e contou com a atuação de Mimi Froes e Liedertrio.

Um dos momentos da actuação dos Liedertrio no Concerto Solidário de Natal Harambee África